Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

Agende sua consulta

(16) 3621-8584

(16) 98805-8584

Mamoplastia: um guia sobre operação plástica nos seios

Imagem: John Sciulli/Stringer/Fraizer Harisson/John Sciulli/ Stringer/Getty Images Imagem: John Sciulli/Stringer/Fraizer Harisson/John Sciulli/ Stringer/Getty Images

Passeando pelas lojas de lingerie, rapidamente identificamos uma nova moda: a dos sutiãs-top, quase transparentes, com alças que cruzam o colo e, muitas vezes, sem bojo. Nos tapetes vermelhos não é diferente: decotes vertiginosos são hit entre os vestidos de festa. E, aparentemente, uma turma que inclui Gigi Hadid e Kendall Jenner até desistiu de usar sutiã — mesmo quando circulam com uma camisetinha quase transparente. Será que a febre das superpróteses de silicone acabou e o tamanho dos seios anda mais discreto?

Tudo indica que sim! As brasileiras também estão curtindo seios menores: dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (coletados no fim de 2015) mostram que 43% das 69% de mulheres que querem reduzir os seios já têm implantes e gostariam de trocar os seus por versões menores. “Antes, os mais vendidos tinham cerca de 350 mililitros. Hoje, o número varia entre 180 e 250”, afirma a cirurgiã Cristiane Todeschini, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Segundo ela, há dez anos a maior procura nas clínicas era pelo aumento dos seios, tendo como inspiração celebridades como Scarlett Johansson. Hoje, as preferências brasileiras são por perfis enxutos, que respeitam o biótipo de cada mulher.

A procura pela cirurgia de redução também é grande, e, além da estética, há o desejo de resolver questões ligadas ao desconforto que implantes ou mamas naturalmente muito grandes costumam causar. A atriz Fernanda Souza, que reduziu o tamanho dos seios recentemente, faz parte desse time. “Fiz a cirurgia por questões de saúde. Sou baixa e tenho a estrutura fina. O tamanho dos meus seios era desproporcional, afetava minha postura e causava dores nas costas”, diz. No consultório, a mulherada anda mais consciente a respeito das cirurgias. “Passada a empolgação, as pessoas perceberam que o tamanho das mamas deve ser escolhido com responsabilidade e que ele também não define feminilidade”, diz Bárbara Machado, Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Associação dos Ex-Alunos do Professor Ivo Pitanguy.

Dicas para quem pensa em mexer no decote
Não importa se você quer diminuir ou aumentar: é importante ter referências, escolher um cirurgião experiente e conversar sobre seu biótipo e estado da pele na região,  fator determinante para as mamoplastias.

Se você quer…

+ Peito
Duração: a cirurgia dura entre uma e duas horas.

Corte: pode ser pelo meio do mamilo, no sulco inferior da mama e também pela axila.

Anestesia: varia de acordo com as necessidades da paciente. Se não houver excesso de Pele e a aréola estiver no lugar, a anestesia pode ser local com sedação. Em casos mais trabalhosos, a anestesia é geral.

Novidades: em abril, chegam por aqui as próteses com um microchip. Com elas, é possível Acompanhar como vai o implante dentro do seu corpo, qual é o seu número de série e até a temperatura do gel.

– Peito
Duração: a cirurgia dura entre duas e três horas e meia.

Corte: em forma de T, vai do sulco inferior até o mamilo.

Anestesia: a geral é a mais indicada.
 
Cuidados
Como escolher a opção mais natural: sua amiga operou e você aprovou o resultado? Leve fotos. É importante ter referências para que o cirurgião tenha noção das suas expectativas. Porém, só analisando seu corpo o médico saberá dizer o tamanho mais indicado e que respeita o seu biótipo.

Pós-operatório: depois de operada, você vai precisar usar um sutiã pós-cirúrgico (sem costura e arame) por dois meses. A recuperação de quem reduz os seios é mais delicada e pode durar até seis meses. Entre as pacientes que optam pela
prótese, o pós-operatório pode durar até dois meses. Nos dois tipos de cirurgia, é importante obedecer o tempo dado pelos
médicos antes de voltar às atividades rotineiras. Durante o período estipulado, é necessário evitar movimentos bruscos com os braços, carregar peso e até dirigir. Lembre-se: quanto mais flácida a pele, maior o tempo de recuperação.
 
Verdade ou Mentira?
Usar sutiã sem bojo faz o peito cair? O bojo e o arame não têm relação com o peso do seio. É natural que com o passar do tempo o peito vá ficando mais flácido. “A pele perde elasticidade naturalmente e, com o peso dos seios, pode ficar mais frouxa. A alça, sim, é importante para sustentar o peso”, diz Noel Lima, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da International Society of Cosmetic Surgery.

As cirurgias de aumento ou redução do seio comprometem a sensibilidade? Cirurgias bem-feitas não resultam em perda da sensibilidade. Segundo Noel, o que pode ocorrer é a paciente ter uma perda parcial e temporária em algum segmento da mama, que dura geralmente um mês, no máximo. Os seios sempre são  diferentes? Isso é supernatural! Em 80% dos casos, o esquerdo é geneticamente maior. Mulheres que fazem redução de seio podem ter problemas para amamentar? A cirurgia não afeta a capacidade de amamentação. O que pode acontecer, em casos raros, são mulheres que tenham alguma deformidade nas mamas que complique a reconstrução do seio e acabe afetando as glândulas mamárias. Se você pensa em reduzir a mama, pergunte ao cirurgião sobre seu caso. Assim pode decidir se prefere fazer a cirurgia depois de engravidar.

Os seios sempre são diferentes? Isso é supernatural! Em 80% dos casos, o esquerdo é geneticamente maior.
Mulheres que fazem redução de seio podem ter problemas para amamentar? A cirurgia não afeta a capacidade de amamentação. O que pode acontecer, em casos raros, são mulheres que tenham alguma deformidade nas mamas que complique a reconstrução do seio e acabe afetando as glândulas mamárias. Se você pensa em reduzir a mama, pergunte ao cirurgião sobre seu caso. Assim pode decidir se prefere fazer a cirurgia depois de engravidar.

fonte: Revista Comopolitan, escrita por Larissa Nara

Compartilhe: